Quer arranjar noivo para casar?

Por favor não pensem que em montei uma agência de casamentos; nada disso, pois para mim o Matrimónio é um sacramento e não é qualquer um que deve casar, mas só quem para tal tenha vocação, uma vez que o Matrimónio é um caminho vocacional. 

O assunto é outro. Numa turma universitária de rapazes e raparigas, um belo dia as moças apareceram o mais despidas possível ou o menos vestidas possível, o que vem a dar o mesmo. A professora observadora e sensata, virou-se para elas e perguntou: “Qual a razão de vos vestirdes assim com tal despudor?” A resposta unânime foi: “Queremos ser atraentes para arranjar noivo”. A professora não se desconsertou e virando-se para os rapazes disse: “Sem receios, nem hipocrisia, levante o braço aquele de vocês que escolheria noiva para casar, entre raparigas como qualquer destas colegas”. O resultado foi elucidativo – nenhum levantou o braço. Quer dizer, nenhum queria escolher para mãe dos seus filhos uma rapariga que não prezasse a sua dignidade de mulher, neste caso no modo de vestir. 

A mulher que actualmente tem sido um joguete nas mãos da publicidade e não só, que se tornou numa mulher-kleenex, não é atraente, nem arranja noivo por isso. Muitas raparigas solteiras, ao aproximarem-se dos 30 anos, julgando, infelizmente, que a idade lhes está a fugir, recorrem a esse expediente e agarram o primeiro que cai na rede. Geralmente esses casamentos estão, à partida destinados ao fracasso.  

A mulher deve realmente andar na moda e vestir de um modo elegante e atraente no bom sentido da palavra, mas para isso é preciso que desperte em quem para ela olha sentimentos de modéstia, simpatia e paz, e não pensamentos desonestos. Mesmo que seja moda, fora com as roupas transparentes, muito justas ou com pano a menos. Essas além de não serem elegantes, são por vezes ridículas. Confesso que muitas vezes na rua tenho vergonha de ser mulher, quando vejo algumas apresentarem-se de um modo excessivamente ousado. À mulher de César não basta ser honesta, mas também parecer. Estas raparigas, se não querem passar por aquilo que não são, e felizmente muitas não são mesmo, graças a Deus, devem arranjar-se de modo a não parecer, evitando assim comentários ou «piropos» inconvenientes, da parte de quem as quer só para se divertir e nunca para ter uma relação séria que leve ao compromisso matrimonial de um com uma e para sempre até que a morte os separe. 

                                                                            Maria Fernanda Barroca

WB00789_.gif (161 bytes)