Diário de Notícias - 11 Mar 03

Pais arriscam vida de filhos na estrada
EDUARDA BERNARDO

O Automóvel Clube de Portugal (ACP ) em colaboração com a Direcção-Geral de Viação (DGV) iniciou, ontem, uma campanha de prevenção rodoviária junto de pais e familiares que transportam as crianças de automóvel até aos estabelecimentos de ensino dos concelhos de Gaia, Porto e Matosinhos.

A iniciativa pretende contrariar a estatística da DGV que, entre Janeiro e Novembro de 2002, apontava 25 vítimas mortais e 119 feridos graves com idades inferiores a 14 anos. «Tem havido um certo movimento social em redor da segurança rodoviária, focando aspectos como o excesso de velocidade ou o álcool e têm se esquecido os cuidados necessários para transportar as crianças em segurança», justifica o director da ACP, Vidal Pinheiro.

«Efectivamente, os pais não conhecem as regras», garante. «Vemos os pais a chegar à escola e a dar um beijo de despedida depois de terem arriscado a vida dos filhos.»

Daí que a campanha mobilize PSP, GNR, DGV e autarquias para um tema tão sensível. A distribuição de panfletos, nas próximas duas semanas, visa acabar com o desconhecimento e com alguma resistência e incluiu conselhos essenciais. O airbag, por exemplo, tido como essencial à segurança, pode esmagar uma criança. O transporte de bebés ao lado da mãe, mesmo na cadeira adequada, deve ser feito no sentido contrário ao da marcha. Quanto ao banco de trás não significa ausência de perigo, pelo que o cinto deverá ser sempre utilizado.

E os bebés que ainda circulam na barriga da mãe também merecem cuidados, de modo a evitar que o cinto atravesse o abdómen da grávida. Até aos 12 anos, uma cadeira de apoio ou um banco elevatório poderão salvar a vida da criança.

WB00789_1.gif (161 bytes)