Fórum da Família - 27 Fev 03

Células estaminais adultas podem consolidar transplantação de órgãos

             Um estudo realizado por investigadores da Universidade de Kiel (Schleswig-Holstein, Alemanha) com células estaminais adultas de rato sugere que este tipo de células pode ser uma boa alternativa à utilização de células estaminais embrionárias.

            Os resultados evidenciaram a possibilidade de utilizar células estaminais adultas para promover a imunotolerância de corações transplantados em ratos de laboratório.

            Neste estudo, as células estaminais foram retiradas da medula óssea de ratos adultos, cujos corações foram posteriormente transplantados noutros ratos de diferentes estirpes.

As células da medula óssea foram cultivadas e injectadas em ratos transplantados, alguns dos quais viveram 100 dias sem rejeição do coração.

A fim de garantir que as células estaminais adultas se multiplicam com a rapidez necessária, de forma a serem eficazes no mecanismo de aceitação dos órgãos transplantados, o chefe da equipa de investigação, Dr. Faendrich, desenvolveu um método de cultura que acelera a divisão das células estaminais adultas.

O Dr. Maren Ruhnke salientou que o objectivo de futuras investigações será o desenvolvimento de técnicas similares a serem usadas em transplantes de órgãos humanos. Caso esse objectivo venha a ser alcançado, a utilização de células estaminais adultas para consolidação do transplante de órgãos humanos terá outra vantagem significativa: permitirá substituir com êxito a medicação actualmente prescrita a doentes transplantados, à base de drogas imunosupressoras que desenvolvem efeitos secundários e nem sempre impedem a rejeição dos órgãos transplantados pelos mecanismos de acção do sistema imunitário.

O Dr. Faendrich utilizou no passado a injecção de células estaminais embrionárias em ratos com o objectivo de facilitar a aceitação de corações transplantados. Com a investigação sobre utilização de células estaminais adultas abre-se uma alternativa em relação ao que tem sido feito com células embrionárias, cuja extracção implica a destruição de embriões.

O Centro Médico da Universidade de Kiel anunciou uma iniciativa conjunta com a empresa de cuidados de saúde Fresenius ProServe, designada Blasticon, que promoverá a investigação com células estaminais adultas. Foi criado, entretanto, um Centro de Formação em Transplantes e Biotecnologia, que disporá do corpo docente da Fresenius e de um subsídio do Estado alemão de Schleswig-Holstein no valor de 495.000,00 €.

 

Fonte: Reuters Health; Pro-Life Infonet