Diário de Notícias - 19 Dez 03

Sinistralidade mata tanto como enfartes e tabaco
ADRIANA SILVA AFONSO

Por ano, mais de 20 milhões de pessoas morrem ou ficam gravemente feridas nas estradas de todo o mundo.» Este número, revelado ontem no relatório anual da Organização Mundial de Saúde (OMS), faz com que os acidentes de viação integrem o grupo das três principais causas de morte que podem ser prevenidas. Para além dos acidentes, a simples existência de trânsito rodoviário é considerada, pela OMS, como um factor de risco para o aparecimento de doenças letais. As doenças cardiovasculares e o consumo de tabaco completam o grupo das principais causas de morte evitáveis.

De acordo com o documento da OMS, a «epidemia dos prejuízos do tráfego nas estradas está ainda num estado inicial nos países desenvolvidos». Porém, a tendência é para um «aumento exponencial», uma vez que se regista um acréscimo diário do número de veículos nas estradas. A OMS considera, então, ser urgente a tomada de medidas de prevenção. Por outro lado, «apesar de morrerem três mil pessoas por dia em acidentes de viação» não se tem a real percepção das proporções, pois em cada desastre ocorrem poucas mortes, não merecendo grande cobertura por parte da comunicação social. O relatório adverte que, se não houver qualquer acção dos governantes, em 2020 as mortes nas estradas aumentarão 80 por cento nos países desenvolvidos. Ao mesmo tempo, a poluição do ar, resultante da libertação de gases dos escapes dos veículos motorizados, provoca doenças respiratórias e cardíacas e conduz a alterações climáticas. Estes factores podem até ser mais letais que os
próprios acidentes.

Por sua vez, os problemas cardiovasculares causam mais de metade dos óbitos por doenças não transmissíveis. Nos países desenvolvidos representam mesmo a primeira causa de morte para os adultos. «Evitar dietas ricas em gorduras, sal e açúcar» é fundamental para o decréscimo dos óbitos. E, se não houvesse fumadores no mundo, evitava-se «uma morte por segundo», algo que actualmente se regista devido a doenças causadas pelo tabaco.

WB00789_1.gif (161 bytes)