APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

 Mensagem 

 Dia do Pai 

 
Todos os anos, a 19 de Março - para tantos, dia de S. José! - se comemora o DIA DO PAI e, como não podia deixar de ser, a APFN quer também associar-se, não porque pense que o Pai possa algum dia passar a ser uma “espécie em vias de extinção” e vir a carecer de particular protecção, mas porque SER PAI - tal como a APFN vê o Pai, um Pai por excelência! – merece um louvor, um agradecimento e um carinho muito especial!

Por isso, a APFN quer recordar aqui que, para se SER PAI, é vital crescer e amadurecer primeiro, para depois se dar conta de que abrir as portas à Vida, e recebê-la com Alegria, é um DOM e uma verdadeira AVENTURA, que implica responsabilidade, compromisso e fidelidade para SEMPRE! Não se desiste jamais de um filho! Nunca mais se deixa de ser Pai, passem os anos que passarem, aconteça o que acontecer...um filho, ou filha, nunca se riscam do mapa!

Ser Pai é pôr, de facto, amorosa e engenhosamente, todas as suas capacidades – física, intelectual, artística, moral, espiritual...- ao serviço da Vida (das Vidas) pela qual (pelas quais) se é responsável para SEMPRE! E pode-se ser Pai de corpo e alma, mesmo quando os filhos não nasceram da sua carne – é a chamada Paternidade por adopção e Paternidade espiritual, por opção.

Ser PAI é muito mais do que mudar uma fralda, de quando em vez dar banho e colo, alimentar e arranjar forma de pagar a roupa, a saúde e a escola... Ser Pai é estar lá quando é preciso, é estar atento, antecipar necessidades, saber ouvir, limpar lágrimas, corrigir erros sem tréguas, dizer não quando se impõe, exigir, animar, abrir horizontes, empurrar com firmeza para ajudar a enfrentar dificuldades, sem mimar em excesso como se a vida fosse só feita de desejos satisfeitos, semanadas, gelados e sonhos cor-de-rosa....

Ser PAI é muitas vezes não ter para si, para poder dar aos filhos..., é pousar o jornal e desligar a TV no auge do interesse para conversar e ouvir a novidade infantil ou a angústia adolescente e solitária… é voltar a enfiar o casaco molhado e velho, para ir ao Hospital, à Urgência, ou ir à Farmácia buscar um remédio, a meio da noite, quando após um dia longo de trabalho pesado e difícil mais apetece dormir… é ir ao futebol, só para acompanhar... é ir altas horas da noite buscar um filho/filha a uma festa... é ajudar a resolver o problema de Matemática... é trabalhar duramente para poder, talvez, gastar um dinheirão em material escolar e explicações para que o filho/filha possa tirar o curso que o Pai nunca pôde tirar... é vaguear pelas ruas, mendigando a esmola de um emprego, com um nó na garganta, sem saber o dia de amanhã e em silêncio, para que a família não sofra já o mal que se avizinha... é saber estar de algum modo presente, mesmo quando a vida profissional obriga a ausências... é saber cumprir o dever de fidelidade à Família, com um esforço de alma – sabe Deus o tamanho! - quando a imaginação, o cansaço, a rotina, o desalento, as solicitações, a pressão do ambiente e dos "amigos" parecem tornar irrecusável uma “fugazita”, um escape, uma traiçãozita... mesmo que ninguém saiba, mesmo que ninguém veja…

SER PAI é tudo isto e o muito mais que fica por dizer... mas que os Pais sabem e muitos filhos agradecem, ou não chegam a ter tempo de reconhecer...

A cada PAI generoso que, apesar das dificuldades, luta, ou lutou, por conseguir ser cada vez MAIS e MELHOR PAI, um ABRAÇO grande, cheio de solidariedade da APFN.
 

APFN - Associação Portuguesa de Famílias Numerosas  

Para saber mais:

 
Se tem 3 ou mais filhos, concorda com os nossos Princípios e Estatutos e deseja ser sócio,  
 
 
Se quiser deixar de receber comunicados da APFN, envie um email para apfn@apfn.com.pt com o assunto "Remover" 
Nota importante: é necessário que seja enviado a partir da conta de correio electrónico onde foi recebido este comunicado.
  

WB00789_.gif (161 bytes)