MOVE - Movimento de Pais - 24 Mai 05

 

COMUNICADO
 
Faz amanhã uma semana que um grupo de pais, chocados pela revelação no jornal "Expresso" (http://www.move.com.pt/Noticias/140505a.htm) do que se está a passar em escolas portuguesas a coberto da designação de "educação sexual" ou "educação para a saúde", em acções promovidas pelos Ministérios da Educação e da Saúde em colaboração com a APF - Associação para o Planeamento da Família, lançou uma petição na internet (http://www.forumdafamilia.com/peticao/peticao.asp, também acessível através de http://peticao.stop.to) que, à hora a que este comunicado é enviado, já tem 8043 assinaturas.
 
Conforme comunicado enviado há poucos dias (http://www.move.com.pt/comunicados/220505a.htm), este grupo de pais organizou-se sob a forma de MOVE - Movimento de Pais, lançando uma petição em papel (http://www.move.com.pt/PeticaoEdSexual.pdf) que decorrerá até 30 de Junho .
 
O MOVE aproveita para saudar a criação do Movimento Associativo e Federativo de Pais e Encarregados de Educação de Portugal (MAFPEEP - http://mafpeep.no-ip.info/), resultante da tomada de posição de associações e federações de pais contra esta situação, e apela a que mais associações de pais e encarregados de educação acordem para esta realidade, quer aderindo ao MAFPEEP, quer alargando esta discussão a todos os pais, recomendando a sua adesão a título individual à petição promovida por nós.
 
Entretanto, tem-se assistido, na comunicação social, a diversas tomadas de posição, pró e contra, naturalíssimo num assunto desta natureza cabendo-nos, neste momento, prestar os seguintes esclarecimentos, sobretudo a quantos se têm manifestado contra esta nossa iniciativa:
 
1 - A petição foi lançada por este grupo de pais, que, posteriormente, se constituiu como MOVE - Movimento de Pais, e não por alguma associação já conhecida, algumas das quais já manifestaram publicamente o seu apoio e que agradecemos.
 
2 - O objectivo do MOVE está bem claro na petição – exigir o direito dos pais a escolher a educação dos seus filhos em matérias que tocam o foro íntimo das pessoas.

3 - O MOVE existirá até os objectivos bem claros aí traçados tiverem sido atingidos, e usará todos os meios ao seu alcance para os atingir, tarefa que é cada vez mais premente dada a crescente adesão de pais a esta iniciativa.
 
4 - O MOVE não se pauta por qualquer ataque a este Governo e, muito menos, à Senhora Ministra da Educação, por quem tem toda a consideração, e de quem pode vir a ser parceiro.
 
5 – O MOVE não quer acabar com a Educação Sexual em meio escolar. Como pais que somos, bem nos preocupamos com a educação integral dos nossos filhos, e de que a educação sexual é um componente importante.
 
6 – O MOVE tem nesta matéria uma posição de profunda liberdade – exige que se reconheça aos pais o direito a conhecer e a escolher a educação sexual que é dada nas escolas.
 
7 – Em matéria de educação sexual, atento o foro íntimo da mesma, nenhuma Associação pode reivindicar o direito a decidir pelos pais. Este é um direito individual de cada pai ou mãe que não se confunde com direitos colectivos ou sociais. A nossa unidade é neste momento para repudiar o modelo que está a ser imposto, de forma transversal e compulsiva.
 
8 - O MOVE não pretende defender uma opinião, a nossa opinião. Pelo contrário, pretendemos que seja conhecido e dado a conhecer o que se tem feito sob a designação de "Educação Sexual" ou "Educação para a Saúde" e os materiais usados e recomendados, quer pelos Ministérios de Educação e da Saúde, quer pela sua parceira APF, agravado pelo facto de ter vindo a ser feito com verbas do erário público.
 
9 – A indignação que tornamos presente não é, no entanto, uma questão exclusivamente de pais. É para todos os portugueses! Saber como queremos a Sociedade. Como serão as gerações futuras. Que educação? Que violência? Onde nascem os comportamento desviantes? De que derivam os comportamentos de risco?
 
10 – Por isso este grito de indignação e repúdio pela forma de apresentar matérias que, objectivamente violam Direitos, Liberdade e Garantias do Homem e os Direitos Fundamentais das nossas Crianças.
 
MOVE - Movimento de Pais
 
24 de Maio de 2005

Pelo MOVE - Movimento de Pais

Isabel Carmo Pedro

Adriana Menezes

Luís Pereira de Almeida

Tel: 937 209 125

WB00789_.gif (161 bytes)